Francesinha

Como sabem, uma das consequências desta doença é a diminuição da capacidade de mastigação e deglutição, pelo que, há situações em que só a nossa vontade de comer não é suficiente, como é o caso da francesinha porque, o que é delicioso é o sabor da mistura de todos os ingredientes com o molho, ou seja, comer separadamente um pouco de chouriço, de bife, de linguiça, de salchicha, de queijo, … não é uma Francesinha, é uma “Tapa” (é bom, mas não é uma “Francesinha”). O problema estava na amplitude de abertura da boca que não dava nem para 1/3 da altura da “Francesinha”. Não desisti e continuei a magicar na situação, até que um dia, comprei uma francesinha sem molho (adquiri um molho sem picante num hipermercado), fiz-lhe 2 golpes transversais e 2 golpes longitudinais, ou seja, cortei a francesinha em 9 bocados que coloquei conjuntamente com o molho na picadora “123”, triturei tudo e aqueci no micro-ondas, tendo assim conseguido degustar uma “açorda” de francesinha : não foi preciso mastigar, não custou a engolir e tive o sabor total da mistura das carnes com o molho. Aquilo que parecia inatingível, tornou-se realidade.

Almofada

Se, quando se deitar, tiver dores na zona dos maxilares, pode experimentar o seguinte: arranje 2 almofadas quadradas (baixas), sendo que uma delas deverá ter um dos lados mais pequeno do que o da outra.

Coloque a almofada mais pequena em cima da maior (parecendo um degrau) e apoie a maçã do rosto no bordo da almofada pequena. Assim, o maxilar não fica em contacto com a almofada grande e, portanto, não é pressionado e como tal, não provoca dor, ou atenua significativamente o desconforto quando comparado com uma almofada normal.

Fruta & Sandes

Com a dificuldade que tinha e, tenho, em trincar e mastigar, por causa das próteses dentárias que uso, da pequena amplitude de abertura da boca e da língua curta e presa, muito especialmente em coisas tão simples como comer fruta ou uma sande (de queijo, de fiambre, de presunto, de …, fui obrigado a descortinar as melhores maneiras de ultrapassar estes obstáculos:

Fruta

Corte 2 ou 3 peças de fruta (de preferência sem casca) em pedaços pequenos, junte um iogurte ou um pouco de leite, e com a varinha mágica triture tudo fazendo um delicioso sumo que tem as seguintes vantagens:

  1. Comemos a fruta que queremos e que até há pouco tempo atrás, só o conseguíamos fazer se fosse cortada em bocaditos muito pequenos e que demoravam uma imensidão de tempo a comer e, às vezes, com alguns engasgos pelo meio.
  2. Perdemos muito menos tempo do que comendo os pedacitos, e sem riscos alguns.
  3. Não desperdiçamos tanta fruta e comemos mais do que o habitual.

Até temos tempo para “comer” 2 ou 3 peças de fruta ao pequeno almoço (neste caso do pequeno-almoço, sugiro que se junte umas sementes de cereais ou 1 ou 2 bolachas) que:

  1. Para quem ainda não experimentou, sugiro que o faça porque é uma delícia.
  2. É ótimo para a saúde e, agora de verão, se for um pouco fresco, ainda sabe melhor (basta ter a fruta no frigorífico).

Sandes

Outro dos “pequenos/grandes” problemas que temos, é o de comer sandes, ou seja, lá estamos nós como na situação da francesinha: comer separado tudo bem, comer conjuntamente pão com queijo/fiambre/presunto/omelete/… já é um “problema”. Temos várias soluções e depende da situação ou do gosto de cada um:

  1. Pedir para aquecer um pouco a sande, o que torna o pão um pouco mais mole;
  2. Pedir para fatiar a sande em pedaços pequenos, e se mesmo assim ainda não estiver ao nosso gosto, partimo-lo com a mão em pedaços mais pequenos: muitas vezes conseguimos trincar, não conseguimos é fixar o pão na boa para o puxar com as mãos.
  3. Pedir para fazer as 2 coisas: aquecer e fatiar.
  4. Pedir para prensar a sande (tipo tosta mista mas prensada): é o modo mais fácil de trincar e separar os bocados e, se mesmo assim tivermos dificuldades em separar o pedaço que está na boca do restante (p. ex. se for presunto, depende bastante do modo como ele foi cortado), estando prensada, é fácil separar os pedaos de senda com as mãos.
  5. Se mesmo assim, nenhuma das hipóteses acima for viável, que é o caso quando vamos às Feiras de Artesanato e nos colocam à frente dos olhos aquelas sandes mistas de presunto com queijo da serra, e não é possível aquecer, fatiar ou prensar, é possível comê-las na mesma: é só preciso um pouco mais de tempo para partirmos à mão a sande em pedaços pequenos e … meter à boca (os pardais comem um pão inteiro, migalha a migalha).
Sabia que...